A Voz de Iyá registra e difunde saberes de rezadeiras, benzedeiras e curandeiras do Recôncavo da Bahia

Narrativas de fé, reza e cura de mulheres guardiãs de saberes e fazeres tradicionais do Recôncavo da Bahia.
Rezadeiras, benzedeiras, curandeiras, mães guardiãs de saberes, fazeres, práticas religiosas e ancestrais perpetuadas por gerações ocuparão a cena em cidades do Recôncavo da Bahia através do A Voz de Iyá*.

A fim de dar voz, gerar protagonismo e reconhecimento social, promover, sistematizar e difundir os conhecimentos tradicionais perpetuados por 15 mulheres guardiãs desses saberes de Cachoeira, São Félix e Maragogipe, este projeto fará um rádio documentário e um livro digital com histórias de vida e relatos de fé das mulheres.

No lançamento do resultado do projeto, que ocorrerá em 21 de julho de 2018, será aberta uma exposição multimídia com exposição fotográfica, audição dos rádios documentários e exibição de vídeos. As 15 mulheres envolvidas serão homenageadas e ocorrerá uma roda de conversa com intervenções artísticas nas áreas da literatura, música, performance.

Para acompanhar o desenvolvimento da ação com a veiculação de vídeos, imagens e relatos orais é preciso acessar as redes sociais da Casa de Barro – Cultura, Arte, Educação no facebook (www.facebook.com/casadebarro.org) e instagram (@casadebarro).

Os rádios documentários estarão disponíveis em plataforma digital e serão veiculados nas principais rádios da região.

Este projeto foi contemplado no Edital da Década Internacional Afrodescendente e conta com o apoio financeiro da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) / Governo do Estado da Bahia. Realização: Casa de Barro – Cultura, Arte, Educação.

* O nome do projeto “A voz de Iyá” faz uma referência às mulheres envolvidas como mães que preservam saberes sagrados. Iyá é um nome iorubá que significa “mãe”. Portanto, essas mães têm aqui a oportunidade de voz e protagonismo, sendo reverenciadas pela sua importância social, cultural, identitária para a região.